Funasa diz: investigação sobre possíveis fraudes não afetará trabalhos

Alex Rodrigues, Agência Brasil

BRASILIA - Um dia depois de a Polícia Federal prender oito servidores e ex-funcionários da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) suspeitos de fraudar licitações e convênios públicos, o chefe de gabinete da fundação, Moisés Souza Santos, afirmou que o novo escândalo não irá prejudicar a população das localidades onde a Controladoria-Geral da União (CGU) constatou indícios de irregularidades.

Segundo Moisés, antes mesmo de a PF deflagrar a Operação Hygeia, a própria Funasa já havia aberto processos administrativos contra 14 pessoas que trabalham ou já trabalharam na fundação e que podem estar envolvidas com o esquema criminoso. De acordo com Moisés, todos os 14 suspeitos são de Mato Grosso, embora alguns tenham sido detidos ou estejam residindo em outros estados.

A PF prendeu, ontem (7), 31 pessoas, entre elas o atual secretário de Saúde de Porto Velho (RO), Williames Pimentel, que ocupou o cargo de diretor da fundação há cerca de um ano. E também o empresário Valdebran Padilha, um dos chamados aloprados que estiveram envolvidos com a compra de um dossiê contra políticos ligados ao PSDB durante as eleições de 2006.

Apesar de citar as medidas da Funasa para identificar as fontes de irregularidades e as entidades sem fins lucrativos que prestavam serviço inadequado, Moisés reconheceu a dificuldade de impedir o surgimento de novos escândalos envolvendo a fundação.

A capilaridade da Funasa faz com que ela esteja fragilizada. A presença em 90% dos municípios brasileiros acaba possibilitando o surgimento de várias situações que muitas vezes são consideradas irregulares, mas nem todas são comprovadas , afirmou Moisés, defendendo que há situações em que um gestor tem que tomar decisões urgentes apontadas como irregulares e pelas quais tem que responder depois.

Moisés ressaltou que as denúncias ainda estão sendo apuradas e que, portanto, não há como avaliar se houve ou não prejuízo aos cofres públicos.

Edição: Lílian Beraldo