PF pede transferência de assassino de Glauco para Catanduvas

Portal Terra

SÃO PAULO - A Polícia Federal confirmou nesta quarta-feira que pediu à Justiça Federal a transferência de Carlos Eduardo Sundfeld Nunes para o presídio de segurança máxima de Catanduvas, no Paraná. Cadu, que confessou o assassinato do cartunista Glauco Villas Boas e do filho dele, Raoni, no dia 12 de março, está preso na sede da PF em Foz do Iguaçu desde 14 de março.

Segundo o delegado Eduardo Galdino, o pedido foi encaminhado no dia 30 de março e a resposta da Justiça Federal é esperada para a próxima sexta-feira. "Como não tem previsão de saída dele da detenção e em função da gravidade do delito, agora a delegacia não seria o local apropriado. Por isso pedimos a transferência", disse o delegado.

Sobre Carlos Eduardo pesa, também, a acusação de ter atirado em um policial federal durante sua tentativa de fuga para o Paraguai em um carro roubado.

O delegado afirma, ainda, que Cadu não tem causado incômodo na delegacia. "Não é algo específico contra o Cadu, ele não tem feito nada de mais", disse.

Na última segunda-feira a Justiça decretou que as investigações dos assassinatos devem correr em segredo de Justiça.

Entenda o caso

O cartunista e seu filho, Raoni Villas Boas, 25 anos, foram mortos na madrugada de sexta-feira, dia 12 de março, com quatro tiros cada, na residência da família, em Osasco (SP). Os dois chegaram a ser levados para o Hospital Albert Sabin, mas não resistiram aos ferimentos.

Glauco começou sua trajetória como cartunista nos anos 70, no Diário da Manhã, de Ribeirão Preto (SP). Ele publicou suas tiras também na Folha de S.Paulo e na revista Chiclete com Banana. O cartunista é famoso por ter criado personagens como Geraldão, Casal Neuras, Doy Jorge, Dona Marta e Zé do Apocalipse.

Na casa de Glauco, eram realizados cultos da Igreja Céu de Maria, que segue a filosofia do Santo Daime, prática religiosa cristã, ecumênica, que repudia todas as formas de intolerância religiosa. Os seguidores tomam o chá conhecido por esse nome. Para eles, a bebida amplia a capacidade perceptiva, criativa, cognitiva e de discernimento, elevando a consciência do ser humano.