Estudo mostra que PAC 2 poderá elevar investimentos e nível de emprego

Roberta Lopes, Agência Brasil

BRASILIA - O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) 2 poderá gerar um fluxo anual de investimentos na construção civil de R$ 137,2 bilhões e um total de 2,83 milhões de empregos. Os dados são de um estudo da Fundação Getulio Vargas (FGV) para a Associação Brasileira da Indústria de Materiais de Construção (Abramat), divulgado hoje (7).

Segundo o estudo, somente no setor da construção civil poderão ser gerados 1,94 milhão de empregos e 888 mil nos demais setores. Além disso, os investimentos vão gerar R$ 124 bilhões adicionais na economia, sendo R$ 74 bilhões na construção civil e R$ 50 bilhões em outros setores.

O estudo também analisou o fluxo de investimentos do programa Minha Casa, Minha Vida, que poderá gerar uma renda de R$ 62, 856 bilhões na economia, só no setor da construção civil. A renda que poderá ser gerada com o programa poderá chegar a 37,552 bilhões. O programa poderá gerar 1,434 milhão de empregos, sendo que 984 mil deles na construção civil.

Também foi analisada a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) no período de 24 meses para materiais de construção. A estimativa é de que, no período, o Produto Interno Bruto (PIB) teria uma elevação de 1,34% e a expansão no nível de emprego seria de 1,72%. Além disso, haveria uma queda na cargada tributária de 0,013 ponto percentual, mas, por outro lado, haveria uma variação positiva na arrecadação global de impostos e contribuições de 1,3%.

A análise também mostra que a desoneração poderia retirar 211 mil famílias, por ano, do déficit habitacional.