Dilma rebate oposição: Tancredo não é propriedade privada

Ney Rubens, Portal Terra

BELO HORIZONTE - A ex-ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, rebateu, nesta quarta-feira, em Belo Horizonte, as críticas da oposição que divulgou uma carta classificando de oportunista a visita dela ao túmulo do ex-presidente Tancredo Neves, em São João Del Rei, na tarde de terça-feira.

"Olha eu acho surpreendente (a carta), porque nenhum homem público no Brasil é propriedade privada de nenhum partido. O Tancredo Neves foi um brasileiro eleito Presidente da República, infelizmente não pode governar, e ele não era propriamente nem do PT nem do PSDB. Ele era do PMDB e nós podemos perfeitamente ser do PT e respeitá-lo, até porque hoje ele é um patrimônio do Brasil", disse a ministra.

 

Durante palestra proferida a empresários ligados à Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), voltou a defender palanque único entre PT e PMDB, partidos de sustentação do governo Lula, para a disputa do governo de Minas Gerais nas eleições deste ano.

"Eu acho que todos esses problemas relativos a dois palanques começarão a ser resolvidos agora. Então, na medida em que as coisas ficarem claramente delineadas em cada Estado, é que se poderá tomar uma posição. A gente sempre prefere um palanque só, porque você tem maior facilidade de explicar para o eleitor", afirmou.

A ex-ministra esteve acompanhada mais uma vez dos pré-candidatos petistas ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel (ex-prefeito de BH) e Patrus Ananias (ex-ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome).

Pouco antes do evento na Fiemg, em entrevista à rádio Itatiaia, Dilma Rousseff disse que espera pelo entendimento entre os dois partidos em torno do nome do ex-ministro das Comunicações Hélio Costa (PMDB).

"Ninguém vai impor um palanque. Tanto o ex-prefeito Fernando Pimentel quanto o ex-ministro Patrus Ananias têm todas as condições de construir uma unidade. Acho que deveria buscar uma aliança com o PMDB, do ex-ministro Hélio Costa", disse a pré-candidata à Presidência.

Comparação

Durante o evento na Fiemg, ao lado do vice-presidente José Alencar, a ex-ministra Dilma Rousseff mandou um recado ao empresariado mineiro e brasileiro. A pré-candidata do PT disse que a economia brasileira não é mais como a do período anterior ao governo Lula e que há espaço para mais crescimento.

"O Brasil vai continuar crescendo. Nós tivemos uma série de conquistas nesses dois períodos do governo Lula, tiramos da pobreza absoluta 24 milhões de pessoas, segundo o último dado. Hoje o Brasil é um país que está em outro patamar e os empresários da Fiemg, de Minas Gerais e do Brasil tiveram um papel estratégico nisto, porque eles são responsáveis nesse crescimento junto com o governo," afirmou.