Nardoni: Defesa quer anular o julgamento

Jornal do Brasil

SÃO PAULO - A defesa do casal Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, condenados a 31 anos e 26 anos de prisão respectivamente, na madrugada do último sábado, pela morte da menina Isabella, de cinco anos, está confiante na possível anulação do julgamento do casal. A defesa vai pedir que os condenados sejam julgados novamente com base em uma lei, em vigor na época do crime, que previa novo júri popular automático em casos de condenações iguais ou superiores a 20 anos de detenção. Cinco meses após a morte da menina, ocorrida em março de 2008, a lei mudou.

De acordo com uma das advogadas do caso, Roselle Soglio, a defesa apresentará nesta semana, por escrito, um recurso ao juiz Maurício Fossen, pedindo um novo júri automático. Segundo ela, já há casos no Tribunal de Justiça de São Paulo de julgamentos recentes refeitos com base na antiga legislação.

O crime foi cometido antes da mudança no Código Penal e eles têm esse direito argumentou a advogada.

O advogado criminalista Romualdo Sanches Calvo Filho, presidente da Academia Paulista de Direito Criminal, concorda com a defesa, e acha que a lei da época do crime é que deve ser aplicada.

Já o advogado e professor da Fundação Armando Alves Penteado (Faap) Sergei Cobra, acredita que a o direito de novo júri automático é uma questão ainda em aberto e depende da interpretação do juiz. Independentemente da alteração da lei, ambos concordam que o casal pode apelar e pedir novo julgamento, principalmente se a defesa achar que a decisão foi contrária às provas.

Visitas

Os pais de Alexandre Nardoni foram ontem visitar o filho na penitenciária de Tremenbé, a 147 km da capital paulista. Eles levaram três sacolas de frutas e verduras. Na entrada do presídio, o pai de Alexandre, Antônio Nardoni, comentou rapidamente sobre a condenação.

Acho que a pena estava dosada há dois anos. Nesse país, é difícil acreditar em alguma coisa, mas nós acreditamos afirmou Antônio ao justificar sua esperança na anulação do julgamento.

Os advogados de defesa dos Nardoni recorreram da condenção no sábado, logo após a decisão dos jurados. Mas o casal terá que permanecer na prisão enquanto aguardam o resultado da apelação.

Anna Carolina Jatobá também recebeu a vista de parentes ontem. O pai dela, Alexandre Jatobá, chegou à penitenciária no início da tarde acompanhado de uma mulher que cobria o rosto e não pôde ser reconhecida. Agentes penitenciários afirmaram que Anna Carolina esperava pelos pais desde o início do dia.