No fórum, mais de 200 pessoas comemoram condenação de casal

Portal Terra

SÃO PAULO - Mais de 200 pessoas acompanharam na madrugada deste sábado, em frente ao Fórum de Santana, na zona norte da capital paulista, a leitura do veredicto de condenação contra o casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, considerados pelos jurados culpados pela morte da menina Isabella, em 2008, de acordo com a Polícia Militar. O público presente comemorou a decisão do tribunal do júri com gritos e uma queima de fogos de cerca de 5 minutos.

O nome do promotor responsável pela acusação, Francisco Cembranelli, foi gritado em coro após a condenação de Alexandre e Anna Carolina. "Cembranelli, Cembranelli", diziam. Durante os cinco dias de julgamenrto, centenas de pessoas fizeram filas para tentar acompanhar o júri de dentro do plenário e pediam que réus fossem considerados culpados pela morte da menina.

Na noite desta sexta-feira, quando o movimento em frente ao fórum aumentou, os manifestantes pediam o linchamento do casal. Com faixas e camisetas estampadas com a foto de Isabella, as pessoas faziam músicas pedindo o linchamento dos acusados de matar a menina Isabella em 2008. "Pega lá, pega lá, pega lá, pra nós linchar", dizem.

Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá foram condenados na noite desta sexta-feira pela morte de Isabella Nardoni, 5 anos, filha e enteada dos réus. Após cinco dias de júri, o casal foi apontado como responsável por agredir, estrangular e jogar a menina do sexto andar do edifício London, na zona norte de São Paulo, em 29 de março de 2008.

O juiz Maurício Fossen definiu a pena de Alexandre Nardoni em 31 anos, um mês e dez dias em regime fechado, enquanto Anna Carolina Jatobá ficará presa por 26 anos e oito meses. Os dois foram condenados também a oito meses de prisão em regime semiaberto por fraude processual.

O caso

Isabella tinha 5 anos quando foi encontrada ferida no jardim do prédio onde moravam o pai, Alexandre Nardoni, e a madrasta, Anna Carolina Jatobá, na zona norte de São Paulo, em 29 de março de 2008. Segundo a polícia, ela foi agredida, asfixiada, jogada do sexto andar do edifício e morreu após socorro médico. O pai e a madrasta foram os únicos indiciados, mas sempre negaram as acusações e alegam que o crime foi cometido por uma terceira pessoa que invadiu o apartamento.

O júri popular do casal começou em 22 de março e deve durar cinco dias. Pelo crime de homicídio, a pena é de no mínimo 12 anos de prisão, mas a sentença pode passar dos 20 anos com as qualificadoras de homicídio por meio cruel, impossibilidade de defesa da vítima e tentativa de encobrir um crime com outro. Por ter cometido o homicídio contra a própria filha, Alexandre Nardoni pode ter pena superior à de Anna Carolina, caso os dois sejam condenados.