Idéias para a sustentabilidade econômica e ambiental

arnoldo santos, Portal Terra

MANAUS - Se a biodiversidade da Amazônia tem sido um dos ingredientes dos debates e palestras, a diversidade de idéias tem deixado otimista os participantes do Fórum Internacional de Sustentabilidade, em Manaus. Empresários de diferentes setores, organizações não-governamentais e representantes do governo tentam oferecer alternativas em busca de atitudes, planos e projetos pelo desenvolvimento sustentável da região Amazônica.

"As idéias têm sido muito importantes, porque converge para um único objetivo: reunir a sustentabilidade ambiental com a sustentabilidade econômica", disse o organizador do fórum, o empresário João Dória Jr.

Do setor comercial, o presidente do grupo Walmart Brasil, Héctor Nuñez, anunciou um projeto de compra de pescado oriundo de manejo de lagos do Amazonas. Os produtos poderão ser vendidos na rede, em mais de 500 estabelecimentos espalhados pelo país. Uma experiência parecida já é feita em Manaus por uma rede local de supermercados.

Empresários do setor de comunicação também participam. O presidente da Rede Record, Alexandre Raposo, reforçou o que ele mesmo descreveu como uma iniciativa já tomada pela empresa. "A rede Record sairá daqui com o objetivo de inserir dentro de nossas empresas essa cultura da sustentabilidade ambiental. É uma questão de preservação, não é mais modismo", afirmou o empresário que anunciou também o aumento da cobertura sobre a Amazônia na emissora.

Pela internet, o TERRA é o parceiro do fórum e também ampliou o leque de possibilidades visando a divulgação das idéias geradas nos debates. "Pela internet a gente cria um espaço que muitas vezes a mídia tradicional não consegue ter, talvez por não ser um assunto de maior audiência possível, mas que engaja muita gente. Neste aspecto, a internet pode ser uma ferramenta para as comunidades que estão na floresta e que podem, com isso, ter mais um instrumento de sustentabilidade. Você traz cultura e informação a quem está vivendo na floresta e pode compartilhar melhores práticas, elevando o nível de cultura e educação. É a inclusão digital como instrumento de inclusão social", avalia Paulo Castro, diretor geral do portal.

Representantes do governo também tentam apresentar suas alternativas para uma Amazônia viável economicamente. "A Zona Franca de Manaus é um modelo sustentável. As indústrias daqui são de baixo impacto ambiental. Na hora em que vier uma fábrica de pneus pra cá, nós vamos utilizar matéria-prima regional. É um meio sustentável, porque o amazônida entra na floresta e apenas retira a seiva da árvore. E a árvore não é prejudicada", disse a superintendente da Zona Franca de Manaus, Flávia Grosso. Ela se referia à vinda da Levorin Pneus, fabricante de pneus de motocicleta e bicicleta, que deve começar a produzir na cidade a partir do segundo semestre de 2010.

"Ainda é possível criar outras unidades extrativistas com a participação da comunidade. Nós temos a castanha no rio Madeira, por exemplo, o pescado e outros produtos. É só haver incentivo do governo e investimentos do setor privado", diz o empresário amazonense Pauderney Havelino, consultor da Samsung Electronics.

No final do encontro, marcado para a noite deste sábado, está prevista a formulação e apresentação da carta de Manaus. Um manifesto conjunto que reunirá o compromisso das empresas participantes em nome de atitudes sustentáveis, mas que sejam realmente práticas.