Estudantes pedem 50% das verbas do Pré Sal para a Educação

Carolina Monteiro, Jornal do Brasil

RIO - Menos de uma semana depois de ser palco da manifestação de políticos e da população carioca contra a emenda Ibsen, as ruas do centro receberam ontem estudantes que reivindicavam 50% das verbas do Pré Sal para a educação. De acordo com a Polícia Militar, cerca de 600 pessoas saíram da Candelária rumo à Cinelândia, no evento promovido pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e União Estadual dos Estudantes (UEE).

Um dos focos da manifestação é o fundo social a ser criado com as receitas da exploração do petróleo Pré Sal. Para as organizações estudantis, 50% do fundo deveria ser investido na educação, em programas voltados para educação básica, na assistência aos alunos do ensino superior.

A base para o desenvolvimento do brasil tem que ser a educação. O investimento nesta área é que dará mais retorno para o país afirma Flávia Calé, presidente da UEE.

Outra reivindicação dos manifestantes é o subsídio aos estudantes no acesso ao transporte público. Eles cobram do prefeito Eduardo Paes maior compromisso com a promessa feita durante a campanha eleitoral de criar a meia passagem para os estudantes universitários da rede pública e privada.

O prefeito encaminhou o processo para a Câmara, mas ele foi arquivado em 4 de janeiro. Queremos maior empenho do prefeito em aprovar a proposta diz a presidente da UEE.

Os manifestantes ainda pediam o fim das restrições do passe livre dos alunos do ensino médio. Segundo os estudantes, desde a implantação da carteira eletrônica para o passe livre, muitos alunos têm que pagar a sua passagem para a escola, pois os cartões apresentam falhas.

O cartão não pode restringir o passe livre dos estudantes reclama Flávia.

A Secretaria de Estado de Educação informou que não vai se pronunciar sobre a manifestação. Já a Secretaria Municipal de Educação disse que a rede municipal não utiliza equipamento de recargas de cartões de gratuidade e que não foi registrado nenhum problema com o RioCard dos estudantes. A Fetranspor informou que tem poucos registros de problemas com a gratuidade de estudantes, mas que na maioria dos casos há um problema com a atualização das informações dos alunos. O órgão disponibiliza o telefone 4003-3737 para quem tiver problemas com o serviço.

A manifestação afetou o trânsito nas ruas do Centro. A avenida Presidente Vargas apresentou retenções desde a Central do Brasil nas duas pistas no sentido Candelária e a avenida Rio Branco chegou a ter o trânsito restrito a uma faixa.