Tucanos saem em defesa de Serra após ele elogiar governo

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O Lula fez dois mandatos, está terminando bem o governo. O que nós queremos para o Brasil? Que continue bem e até melhore . Com essas três frases apenas, em declaração recente, o governador tucano de São Paulo José Serra, que lançará sua candidatura à Presidência da República dia 10 de abril, deixou a cúpula do PSDB numa saia justa antes mesmo de a campanha começar. Nos bastidores, o tucanato avaliou que o depoimento foi infeliz e municiou o PT, que aposta na ministra Dilma Rousseff. O PSDB entrou em campo para defender Serra.

O país realmente vai bem, mas isso é um ciclo que começou com o presidente Itamar Franco, passou principalmente pelo Fernando Henrique Cardoso e continuou, e vai além lembrou o deputado federal Rodrigo de Castro (MG), secretário-geral do PSDB, para logo em seguida deixar a provocação. Mas, engana-se que essa continuidade será com Dilma.

Na avaliação da cúpula do PSDB, a ideia é não desmentir Serra, para evitar constrangimento público, mas argumentar, em cima de suas declarações, por que e como os tucanos vão fazer o Brasil crescer mais.

É com Serra que o país vai tocar um projeto de desenvolvimento lembrou o deputado Castro.

Reforço

Embora não tenha havido declarações públicas de aliados do governo do presidente Lula sobre as frases de Serra, houve discreta comemoração entre petistas.

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves, candidato ao Senado, já havia entrado em campo pró-Serra. Considerou positivo o lançamento extraoficial da candidatura de Serra, quando ele respondeu em um programa de TV ao vivo, em São Paulo, que se lançará em breve.

Agora, mais do que o anúncio, o PSDB tem de construir o seu discurso. Mostrar à população brasileira porque é melhor votar num candidato da oposição e não na continuidade do atual governo. E eu acho que nós temos todas as condições de mostrar que podemos fazer um governo mais eficiente, um governo com planejamento e com mais força política no sentido de viabilizar as reformas que ficaram no meio do caminho disse Aécio no sábado, em visita a Sete Lagoas (MG). (Com agências)