Dias decisivos para o casal Nardoni

Jornal do Brasil

SÃO PAULO - Depois de praticamente dois anos de prisão, polêmicas e versões diversas, da defesa e acusação, sobre o crime que chocou o Brasil, o casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá começa a ser julgado segunda-feira. Será por júri popular, pela suspeita da morte da menina Isabella Nardoni. Ela tinha 5 anos quando apareceu morta no hall do prédio em que morava com pai e a madrasta, depois de cair ou ser lançada da janela do apartamento da família.

O julgamento está marcado para segunda-feira, no 2º Tribunal do Júri do Fórum de Santana, na Zona Norte de São Paulo.

O júri popular é previsto em crimes contra a vida, como homicídio, tentativa de homicídio e auxílio ao suicídio. Nele, cidadãos comuns escolhidos por sorteio decidem se os réus são culpados ou inocentes. Os jurados ficarão hospedados em alojamentos no Fórum da Barra Funda e os réus em uma casa de detenção da Grande São Paulo.

Processo

Ao todo, 23 testemunhas serão ouvidas durante o julgamento do casal. São três testemunhas de acusação, 17 convocadas pela defesa e outras três comuns à defesa e à acusação uma delegada, uma perita e um médico-legista.

Apenas sete jurados irão compor o conselho de sentença. O sorteio ocorre no dia do julgamento. A defesa e acusação têm o direito de, cada uma, recusar três jurados sorteados. Depois da escolha, os outros jurados presentes são dispensados. Durante os dias de julgamento (estão previstos até cinco), os integrantes do conselho ficam incomunicáveis. Eles irão dormir e fazer as refeições dentro do Fórum de Santana.

A lei 11.689, de junho de 2008, fez algumas alterações no Código de Processo Penal. Agora, o interrogatório dos réus é feito após o depoimento das testemunhas. Até então, os acusados do crime eram ouvidos primeiro. Isso foi feito, segundo os juristas, para garantir a ampla defesa dos réus.

Visita

Domingo, os pais de Alexandre Nardoni o visitaram na cadeia. Eles chegaram às 9h45 o presídio José Augusto César Salgado, de Tremembé, e saíram depois dsa 13h.

Em entrevista a um jornal paulista, a mãe de Isabella, Ana Carolina Oliveira, revelou que espera pela condenação do casal.

Eu acredito na versão oficial do processo, tudo que foi trabalhado e concretizado. Espero que a Justiça seja feita, que eles sejam condenados. (Com agências)