Cidades brasileiras estão entre as mais desiguais do mundo

Vitor Abdala, Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - Goiânia, Fortaleza e Belo Horizonte figuram entre as cidades com maior desigualdade de renda do mundo. Segundo dados divulgados nesta sexta-feira pela ONU-Habitat, a Agência das Nações Unidas para Habitação, esses municípios brasileiras só ficam atrás das cidades sul-africanas, e de Lagos, na Nigéria.

Segundo a ONU, as três cidades brasileiras apresentaram um índice de Gini (que mede a desigualdade) igual ou superior a 0,61, em uma escala de zero a 1,00, em que os números mais altos mostram maior desigualdade. As nove cidades sul-africanas pesquisadas apresentaram índices entre de 0,67 e 0,75. Já Lagos tem índice de 0,64.

Os dados constam no estudo Estado das Cidades do Mundo , da ONU. De acordo com o coordenador da pesquisa, Eduardo López Moreno, a desigualdade entre ricos e pobres pode provocar uma série de problemas sociais, como a criminalidade.

Existe um vínculo muito direto entre as cidades mais desiguais do mundo e um certo nível de criminalidade. Ou seja, a cidade mais desigual vai gerar, mais facilmente, certos distúrbios sociais. E o problema é que as autoridades locais, provinciais e federais vão usar recursos que deveriam ser utilizados para investimentos, para conter esses fenômenos sociais , disse Moreno.

Brasília também é destacada na pesquisa com um alto índice (0,60). Já na comparação entre países, o Brasil é classificado como um país de desigualdade muito alta , com um índice Gini médio de 0,58. Dentro de uma pesquisa com países da África, Ásia, América Latina e Leste Europeu, o Brasil só fica atrás de África do Sul (0,76), Zâmbia (0,66), Namíbia (0,63), Zimbábwe (0,60) e Colômbia (0,59).

O estudo também cita as diferenças de oportunidades entre moradores de favelas e aqueles que residem em outras áreas dentro das cidades brasileiras. De acordo com a ONU, a chance de uma pessoa ter desnutrição em uma favela brasileira é 2,5 vezes maior do que no resto da cidade, enquanto que a diferença média no mundo é de duas vezes.