Advogado: troca na defesa de Arruda foi por decisão pessoal

Portal Terra

DA REDAÇÃO - O advogado Nélio Machado, que defende o governador licenciado do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), afirmou nesta sexta-feira que a saída de outros quatro advogados de defesa do caso foi motivada por decisão pessoal deles. Machado esteve hoje na sede da Polícia Federal para visitar Arruda, acompanhado de outros dois advogados de defesa.

Na manhã de ontem, José Gerardo Grossi, Nabor Bulhões, Eduardo Alckmin e Eduardo Ferrão deixaram o caso Arruda em carta de renúncia encaminhada ao governador licenciado. Machado classificou a sua relação com José Gerardo Grossi como "muito boa". "Sou muito amigo dele e essa decisão não afetou a nossa relação. Mas, em minha equipe, conto com dez advogados e todos têm condições de me dar o suporte necessário para o caso", afirmou.

Sobre a defesa de Arruda no processo de impeachment, que avançou na Câmara Legislativa do DF, Machado admitiu que pode mudar a estratégia de defesa. "É possível que eu convoque um colega, que trabalha mais com direito eleitoral, para me assessorar nesta questão".

O parecer do deputado Chico Leite (PT), a favor da abertura de processo de impeachment contra o governador afastado, foi aceito por unanimidade na Câmara Legislativa do DF nesta sexta-feira. O próximo passo é notificar Arruda sobre a decisão. O governador terá, a partir de então, 20 dias para se defender.

Nélio Machado afirmou ter estranhado a rapidez com a qual o parecer da Procuradoria-Geral da República sobre os novos argumentos apresentados pela defesa de Arruda para a concessão do habeas corpus foi emitido.

- Eles emitiram o parecer no dia seguinte à apresentação dos novos argumentos. Para mim, só foi um carimbo em relação ao anterior. Certamente, o documento contém a opinião de um órgão que está empolgado com a acusação e não está pensando no processo constitucional, que garante a defesa do réu - disse.

Machado afirmou que Arruda toma água de coco diariamente, por recomendações médicas, para controlar as alterações de pressão. O advogado afirmou que o governador licenciado solicitou a visita de um médico de confiança, o que foi negado.

- Primeiro, deram autorização para o médico de confiança de Arruda visitasse. Mas, depois, acharam que apenas o diagnóstico da médica da Polícia Federal bastava. Mas ele está bem e seguindo recomendações médicas - afirmou.

Entenda o caso

O mensalão do governo do DF, cujos vídeos foram divulgados no final do ano passado, é resultado das investigações da operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. O esquema de desvio de recursos públicos envolvia empresas de tecnologia para o pagamento de propina a deputados da base aliada.

O governador José Roberto Arruda aparece em um dos vídeos recebendo maços de dinheiro. As imagens foram gravadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, que, na condição de réu em 37 processos, denunciou o esquema por conta da delação premiada. Em pronunciamento oficial, Arruda afirmou que os recursos recebidos durante a campanha foram "regularmente registrados e contabilizados".

As investigações da Operação Caixa de Pandora apontam indícios de que Arruda, assessores, deputados e empresários podem ter cometido os crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, fraude em licitação, crime eleitoral e crime tributário.