Arruda já tem data para o impeachment

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - A comissão especial criada para analisar os processos de impeachment do governador afastado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, na Câmara Distrital, aprovou sexta-feira por unanimidade o relatório do deputado Chico Leite (PT), que pede a cassação de Arruda. Ele responsabiliza Arruda por três crimes de responsabilidade: atuando contra o livre exercício dos poderes, contra a probidade na administração pública e contra o legal emprego do dinheiro público. No início da noite, o deputado distrital Leonardo Prudente, ex-presidente da Câmara, renunciou. Ele foi flagrado em vídeo de Durval Barbosa colocando dinheiro de propina nas meias.

Mais cedo, na Câmara, os cinco parlamentares que formam o grupo Chico Leite, Cristiano Araújo (PTB), Paulo Roriz (DEM), Batista das Cooperativas (PRP) e José Antonio Reguffe (PDT) decidiram aceitar o pedido de impeachment de Arruda .

Tive receio de que o parecer fosse político, mas quero parabenizar porque foi um parecer jurídico ressaltou Paulo Roriz.

O deputado Chico Leite, encarregado do texto, é promotor de Justiça.

Trâmite

O documento será votado em plenário na terça-feira, quando deverá ser aprovado por maioria simples, 14 deputados. Em seguida, o governador licenciado será notificado e terá 20 dias úteis para apresentar sua defesa. Depois, outro relatório será feito, com base na defesa de Arruda, e será votado em plenário. Se aprovado, Arruda é afastado por 120 dias e o processo de impeachment será julgado por um tribunal formado por cinco deputados distritais e cinco desembargadores do Tribunal de Justiça do Distrito Federal.

Nas 22 páginas, Leite detalha denúncias contra Arruda. Se do cidadão comum exige-se que respeite a coisa pública, que evite atos que violem direitos alheios, imagine o que deveria ser exigido de um governador de unidade da Federação.

Gravações mostram Antônio Bento da Silva entregando R$ 200 mil ao jornalista Edmilson Edson dos Santos. O dinheiro seria uma tentativa de suborno para que Sombra prestasse depoimento favorável à Arruda na Polícia Federal. O jornalista ainda teria recebido um bilhete de Arruda, entregue pelo deputado distrital Geraldo Naves (DEM). O secretário de comunicação do GDF, Wellington Moraes, também estaria envolvido nas negociações. Os três estão no presídio da Papuda, em Brasília.