Governo Arruda fez manobra vergonhosa para não ouvir Durval, diz PT

Portal Terra

BRASÍLIA - A bancada do PT na Câmara Legislativa do Distrito Federal divulgou uma nota de repúdio na noite desta quinta-feira contra o fim da CPI instaurada para investigar denúncias de corrupção no governo de José Roberto Arruda (sem partido). O comunicado acusa a base governista de fazer uso de "uma manobra vergonhosa para encerrar os trabalhos que mal tinham começado". A legenda alega que o governo tenta não ouvir o principal denunciante do processo, o ex-secretário Durval Barbosa.

Os deputados aliados a Arruda usaram a decisão do juiz Vinícius Silva, da 7ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal, para justificar o fim dos trabalhos da comissão, instalada no último dia 11. Além de impedir oito deputados e dois suplentes de participar do processo de impeachment do governador, por considerá-los suspeitos, o magistrado afirmou que qualquer ato sobre o escândalo que tenha tido interferência dos parlamentares deveria ser anulado.

Com base no despacho, o presidente da comissão, Alírio Neto (PPS), com apoio da maioria da comissão, declarou que a CPI estava encerrada porque distritais afastados participaram das indicações dos membros da CPI e também assinaram ato pela autoconvocação da Câmara durante o recesso parlamentar.

Na nota, o PT afirma que a decisão da Justiça do Distrito Federal é específica para o processo de impeachment e que o período de investigação da CPI se inicia em 1991.