Cetesb: análise da água do mar descarta organismos da diarreia

Portal Terra

DA REDAÇÃO - A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) informou nesta sexta-feira que em "amostras de águas do mar das praias de Astúrias, no Guarujá, e José Menino, em Santos, não foram constatadas a presença de micro-organismos indicadores da presença de vírus patogênicos causadores de doenças gastrointestinais, que provocam vômitos e diarreias. Segundo a Cetesb, as amostras foram coletadas em 13 de janeiro.

Entre 30 de dezembro e 3 de janeiro, foram registradas 780 ocorrências de diarreia no município. Segundo a prefeitura, o aumento expressivo dos turistas na temporada de verão triplica a população da cidade, o que eleva o número de casos de diarreia e outras doenças infectocontagiosas típicas do período de calor intenso.

Outras cidades do litoral e a capital do Estado também têm registrado um grande número de casos de diarreia. A prefeitura do Guarujá não sabia se a origem da doença foi a água do mar ou a ingestão de alimento ou água contaminados. De acordo com a Cetesb, nas amostras não havia a presença de micro-organismos chamados de "bacteriófagos F-específicos", causadores desse problemas.

Segundo a Cetesb, "o resultado negativo dessas análises não permite conclusões definitivas acerca da presença de organismos entéricos nas amostras". As pesquisas, agora, estão focadas na detecção do enterovírus, que podem causar vários tipos de doenças, entre elas as gastroenterites. A análise, que envolve ensaios com culturas celulares, bastante complexos, deverá demorar cerca de mais um mês.

O Instituto Adolfo Lutz, que também está pesquisando a presença dos patogênicos, divulgou a informação de que organismos conhecidos como norovírus, que igualmente causam gastroenterites, não foram detectados nas amostras.

Segundo a Cetesb, as amostras foram coletadas para complementar o trabalho de monitoramento da qualidade das águas marinhas, realizado há 40 anos para verificação das condições de balneabilidade.

A recomendação é de que a população consulte as condições de balneabilidade das praias antes de qualquer contato com as águas do mar.