DF: aliado de Arruda fica calado em depoimento à PF

Marina Mello, Portal Terra

BRASÍLIA - O ex-chefe da Casa Civil do governo do Distrito Federal José Geraldo Maciel, considerado um dos principais aliados do governador José Roberto Arruda (sem partido), preferiu ficar calado durante depoimento prestado na tarde desta quarta-feira à Polícia Federal em Brasília.

Maciel é tido como figura central do suposto esquema que ficou conhecido como mensalão do DEM e existe a suspeita de que ele atuava como um dos operadores de confiança do dinheiro de suposta propina que seria distribuído a políticos da base aliada.

De acordo com a assessoria da PF, Maciel se reservou ao direito de permanecer calado neste primeiro depoimento, mas tudo indica que em breve ele será chamado para uma nova oitiva. O ex-chefe da Casa Civil deixou a Superintendência da Polícia Federal sem dar declarações.

Entenda o caso

O mensalão do governo do DF, cujos vídeos foram divulgados no final de 2009, é resultado das investigações da operação Caixa de Pandora, da Polícia Federal. O esquema de desvio de recursos públicos envolvia empresas de tecnologia para o pagamento de propina a deputados da base aliada.

O governador José Roberto Arruda aparece em um dos vídeos recebendo maços de dinheiro. As imagens foram gravadas pelo ex-secretário de Relações Institucionais, Durval Barbosa, que, na condição de réu em 37 processos, denunciou o esquema por conta da delação premiada. Em pronunciamento oficial, Arruda afirmou que os recursos recebidos durante a campanha foram "regularmente registrados e contabilizados".

As investigações da Operação Caixa de Pandora apontam indícios de que Arruda, assessores, deputados e empresários podem ter cometido os crimes de formação de quadrilha, peculato, corrupção passiva e ativa, fraude em licitação, crime eleitoral e crime tributário.