Cavalera e Osklen brilham na abertura

Iesa Rodrigues, Jornal do Brasil

SÃO PAULO - O inverno parece distante, mas os lançamentos da moda para o frio continuam, depois do Fashion Rio. Chegou a vez da São Paulo Fashion Week, que começou ontem e até dia 22 mostrará 37 coleções no pavilhão da Bienal e alguns pontos da cidade.

A grife Cavalera abriu a edição de inverno, com jeito rock, sexy, coerente com o DNA criado por Alberto Hiar e Igor Cavalera, da banda Sepultura. Com o próprio Igor na bateria, o desfile misturou elenco de modelos profissionais e figurantes selecionados entre os frequentadores e vendedores da Galeria do Rock, antigo centro comercial cult do Centro de São Paulo. As roupas combinavam o jeans em várias versões de acabamento e coatings, como dourado, escurecido e lurez, e uma parte de alfaiataria que não destoou do espírito punk-roqueiro geral.

Em seguida, a Osklen surpreendeu com um belo trabalho de modelagem e pesquisa em materiais, como feltros e lãs orgânicas. Roupas que pareciam retângulos, com cortes que serviriam de bolsas ou bolsos. Um trabalho geométrico, bastante difícil de ser entendido apenas como roupa do dia-a-dia, mas que para a marca liderada por Oskar Metsavaht representa uma etapa à frente na mera questão de criar e vender moda. A apresentação tem o valor de uma instalação de artes plásticas.

Fause Haten escolheu um dos corredores da Bienal para desfilar e revelar seus dotes de cantor. A coleção com inspirações no universo americano da era do jazz, chegando aos dias de Obama, contou styling em estilo Louis Vuitton, com muitas sobreposições de saias franzidas sobre saias longas, cabeças semicobertas por toques de pele e calças bufantes, quase todas as modelos portando bolsas FH.

Ainda desfilaram ontem Mario Queiroz, Rosa Chá e Colcci. Hoje desfila Maria Bonita, abrindo a agenda paulistana.