Desembargador é acusado de reter ação contra gestão Marta Suplicy

Portal Terra

SÃO PAULO - A Promotoria do Patrimônio Público e Social acusa o desembargador Antonio Carlos Malheiros, do Tribunal de Justiça de São Paulo, de reter há 3 anos e meio autos de investigação sobre supostas irregularidades que envolveriam o Instituto Florestan Fernandes (IFF) durante a gestão da petista Marta Suplicy (2001-2004) na prefeitura de São Paulo. A promotoria representou contra Malheiros no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

A representação afirma que, desde 7 de julho de 2006, o desembargador não adotou providências para levar o caso a julgamento definitivo. Marta não é alvo da ação que investiga supostas irregularidades em contratos firmados sem licitações por cinco secretarias com prestadoras de serviços no valor de R$ 12,8 milhões. Malheiros já havia concedido uma liminar em favor do IFF contra decisão do juiz Edson Ferreira da Silva, da 13ª Vara da Fazenda Pública, que tinha determinado a quebra do sigilo fiscal, bancário e financeiro do instituto.