Gilmar Mendes decide hoje destino do menino Sean

Portal Terra

RIO - O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, decide nesta segunda-feira a respeito dos mandados de segurança impetrados pela Advocacia-Geral da União (AGU) e pelo pai do menino Sean, o americano David Goldman. Os mandados pedem que a criança seja entregue ao pai norte-americano imediatamente.

Sean está sob a guarda do padrasto, o advogado João Paulo Lins e Silva, desde a morte da mãe, a brasileira Bruna Bianchi Carneiro. O pai chegou na quinta-feira ao Brasil para tentar levar o filho para os Estados Unidos, já que uma decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) havia determinado o retorno da guarda de Sean para seu pai no prazo de 48 horas. No entanto, no mesmo dia da chegada de David ao Brasil, o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu liminar para que o menino permaneça no Brasil, com a família da avó materna, até que seja ouvido pela Justiça.

David Goldman luta para ter a guarda do filho desde a morte da ex-companheira. A briga pela guarda começou em 2004, quando Bruna deixou Goldman para uma suposta viagem de férias de duas semanas com o filho ao Brasil. Eles viviam na cidade de Titon Falls, Estado de New Jersey (EUA). Ao desembarcar no país, contudo, Bruna telefonou ao marido avisando que o casamento estava acabado e que não voltaria aos Estados Unidos.

A partir daí, foi travada uma batalha judicial pela guarda do garoto, na época com 4 anos. No Brasil, a Justiça reconheceu o divórcio pedido por Bruna sem a concordância de Goldman. Diante das leis americanas, contudo, eles permaneciam casados. Livre do compromisso com Goldman, Bruna se casou novamente com João Paulo Lins e Silva, mas no parto do segundo filho ela morreu.

Diante da ausência da mulher, David Goldman veio ao Brasil na tentativa de levar o filho de volta aos Estados Unidos. Desde então, ele briga nos tribunais brasileiros pela guarda do garoto com o padrasto de Sean e seus avós maternos.