PF prende quadrilha que desmatava assentamento

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - A Polícia Federal (PF) prendeu terça-feira 15 pessoas suspeitas de cometer crimes ambientais no Projeto de Assentamento Celso Furtado, no município Quedas do Iguaçu (PR). Os criminosos invadiram o assentamento, expulsaram famílias e passaram a vender madeira extraída ilegalmente na região. Até o final do dia, pelo menos 107 caminhões carregados com madeira, além de 400 metros cúbicos de araucária haviam sido apreendidos e 35 serrarias clandestinas interditadas na operação que a PF batizou de Tolerância Zero e que se estendeu por outros 10 municípios.

De acordo com o chefe de Comunicação Social da Polícia Federal, Marcos Koren, que está na região acompanhado a operação, os presos foram levados para a delegacia da instituição em Cascavel (PR), onde serão interrogados. Todo o material apreendido e arrecadado nas buscas foi encaminhado para Cascavel.

A situação é gravíssima. O Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) nos informou que metade da cobertura florestal do assentamento foi derrubada por madeireiros da região disse Koren. Segundo o agente, ainda não é possível contabilizar o que foi apreendido, mas no local há máquinas, carvão e muitas toras de madeira.

Na operação, cerca de 550 agentes, entre policiais federais, militares, integrantes da Força Verde e funcionários do Ibama e do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) pretendem cumprir, ao todo, 29 mandados de prisão expedidos pela Justiça Federal em Cascavel e 95 ordens para busca e apreensão e interdição de serrarias.

As investigações foram coordenadas pela Delegacia de Repressão aos Crimes contra o Meio Ambiente e tiveram como foco uma série de crimes que tinham sendo praticados numa área desapropriada pela União para reforma agrária. Com 50 mil hectares, a área é o maior assentamento do Incra em área contínua em todo o país. (Com agências)