Filho de Lula e mais 15 pegam carona em avião da FAB

Portal Terra

BRASÍLIA - No dia 9 de outubro, um avião Boeing 737 de prefixo 2116, da Força Aérea Brasileira (FAB), teve de retornar a São Paulo, faltando 10 minutos para o pouso no aeroporto internacional de Brasília, para buscar o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, e o empresário Fábio Luís Lula da Silva, o Lulinha, com 15 acompanhantes. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Segundo a reportagem, Meirelles diz que pediu o avião apenas para ele e para um assessor e que, no momento do embarque, foi informado que, "por solicitação da Presidência", o filho de Lula e mais 15 pessoas também viajariam. Os militares que estavam no avião foram deslocados para a parte traseira do Boeing conhecido como Sucatinha, utilizado para transportar o vice-presidente da República, os presidentes do Senado, da Câmara ou do Supremo Tribunal Federal (STF), de ministros ou ocupantes de cargo com status de ministro e de comandantes das Forças Armadas.

De acordo com o jornal, uma regra que regulamenta o uso do avião pede que as autoridades que solicitarem o avião comuniquem à Aeronáutica quantas pessoas as acompanharão. Ainda segundo o jornal, a regra indica que "o transporte de autoridades civis em desrespeito ao estabelecido (...) configura infração administrativa grave".

O assessor de imprensa da Presidência da República afirmou ao jornal que os passageiros, incluindo Lulinha, eram convidados de Lula e que é normal os convidados utilizarem as aeronaves da presidência.

Ainda de acordo com a reportagem, a Presidência da República, o Banco Central e a FAB não forneceram a lista de passageiros, sendo que a última disse que não tem controle da lista nesses casos.