Deputados usariam notas de empresas fantasmas na Câmara

Portal Terra

BRASÍLIA - Empresas fantasmas e com endereços de fachada seriam beneficiadas com verbas usadas pela Câmara dos Deputados para a execução de atividades parlamentares, segundo afirma o jornal Folha de S. Paulo deste domingo.

As comprovações estariam registradas em documentos que são mantidos em sigilo pela Casa, mas por meio de recurso na Justiça, o jornal teve acesso aos documentos, segundo relata a publicação.

São 70 mil notas fiscais usadas por deputados para solicitar reembolso à Câmara nos quatro últimos meses de 2008, por meio da verba indenizatória, cujo valor pode chegar a R$ 15 mil por mês.

Segundo o jornal, nas 2 mil páginas do processo entregue pela Câmara ao Supremo Tribunal Federal (STF), existem endereços fictícios e empresas desconhecidas. Segundo alegaram os deputados, os serviços foram prestados e as supostas irregularidades das empresas são de responsabilidade das mesmas, afirma a Folha.

O jornal cita casos como o deputado Márcio Junqueira (DEM-RR) que justificou gastos de R$ 15 mil com aluguel de carros da empresa PVC de propriedade de seu advogado e com sede no mesmo local de seu escritório.

Os deputados Severiano Alves (PMDB) e Uldurico Pinto (PHS), ambos da Bahia, apresentaram notas da empresa Valente & Bueno Assessoria Empresarial, cujo endereço é registrado em um apartamento em Brasília. Segundo a publicação, o atual morador nunca ouviu falar da empresa. Os parlamentares alegam ter gasto R$ 56 mil por serviços de mídia, de acordo com Alves, e Jurídicos, segundo Pinto.