Jobim: disputa por fornecimento de caças ao Brasil está "fortíssima"

Agência Brasil

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, voltou a afirmar nesta sexta-feira que a disputa entre os fabricantes para fornecer os aviões caça ao Brasil está "fortíssima", mas evitou polemizar.

- Não entro em briga de empresa - disse após visitar o Centro Tecnológico do Exército (Cetex), na zona oeste do Rio de Janeiro.

De acordo com o ministro, o principal objeto da polêmica entre os fornecedores é a questão da troca de tecnologia e destacou que, neste ponto, os Estados Unidos não têm antecedentes favoráreis.

- O problema com os Estados Unidos são as questões do passado. O passado é um grande exemplo de embargo da transferência de tecnologia. Hoje assistimos isso aqui Cetex.

Jobim explicou que durante a visita ao centro tecnológico ouviu relatos dos militares denunciando que as empresas norte-americanas só iriam fornecer tecnologia para a conclusão de equipamentos militares, como baterias, pilhas térmicas e propelentes, daqui a 10 anos.

A dificuldade de concretizar acordos de troca de tecnologia, na avaliação do ministro, é um problema para vários países.

- Isso faz parte do jogo - afirmou -todos os países do mundo não querem que os outros se desenvolvam tecnologicamente. Mas o Brasil vai se desenvolver - assegurou.

O Ministério da Defesa pretende anunciar o vencedor da licitação para a compra de 36 aviões caça até o fim do ano. A Aeronáutica ainda avalia as propostas recebidas. Entre os concorrentes estão os aviões Rafale, da francesa Dassault, os caças Super Hornet, da norte-americana Boeing e o Gripen NG, da empresa sueca Saab.