Brasil não vai impor condições, diz Lula

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O Brasil chegará à reunião das Nações Unidas para a discussão do combate às mudanças climáticas, no mês que vem em Copenhague (Dinamarca), com uma proposta única do governo, mas sem querer impor condições aos outros países, garantiu ontem o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita a Londres (Inglaterra).

O Brasil não vai a Copenhague para impor suas condições. O Brasil vai apresentar suas metas com a disposição de construir um consenso com os outros países afirmou Lula. O presidente lembrou, ainda, que o Brasil já apresentou propostas individuais de combate ao aquecimento, como a meta de reduzir o desmatamento em 80% até 2020, mas que irá levar para a conferência outras propostas que estão em estudo e devem ser finalizadas na semana que vem, numa posição única do governo. Para que não haja dois ministros falando coisas diferentes durante a reunião, ressaltou Lula.

Lula se disse disposto a comparecer à conferência desde que outros líderes das maiores nações do mundo também se comprometam a participar da reunião para fechar um acordo de combate ao aquecimento global. Após um encontro com o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, no qual a questão das mudanças climáticas foi discutida, Lula disse ter recebido a garantia de que o premiê estará em Copenhague. Mas o presidente destacou a importância de outros líderes mundiais, como o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e o presidente da China, Hu Jintao.

Precisamos sobretudo convencer os Estados Unidos, que tentam convencer a China disse Lula, acrescentando que o pior que poderia acontecer é que a sociedade tivesse a impressão de que os seus líderes não estão assumindo o compromisso com o clima . (Com agências)