STF suspende sessão que analisa mensalão mineiro

Portal Terra

BRASÍLIA - O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu o julgamento de denúncia em que o Ministério Público Federal (MPF) sustenta ter sido organizado o esquema conhecido como mensalão mineiro, que utilizaria recursos públicos, entre outros, da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e do Banco do Estado de Minas Gerais (Bemge).

O esquema denunciado inclui ainda empresas do empresário Marcos Valério Fernandes de Souza, que supostamente captavam recursos das estatais para campanhas publicitárias e desviavam grande parte deles para os custos da campanha do senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG), que tentava a reeleição para o governo de Minas Gerais em 1998.

O ministro relator do caso, Joaquim Barbosa, defendeu em seu voto que o mensalão mineiro realmente existiu e foi planejado "com antecedência" pelo senador Eduardo Azeredo (PSDB-MG). Candidato à reeleição ao governo de Minas Gerais em 1998, Azeredo é acusado pelos crimes de peculato e lavagem de dinheiro, tendo supostamente utilizado empréstimos fictícios e desvio de recursos públicos para, por meio de caixa dois, garantir recursos para a vitória no embate eleitoral contra Itamar Franco. O relator ainda não terminou de proferir seu voto e poderá mudar a tendência dele assim que a sessão for retomada, logo após o almoço dos ministros.