Assembleia do CE dá aumento de 143% a auditores do TCM

JB Online

FORTALEZA - A Assembleia Legislativa do Ceará aprovou, nesta quarta-feira, a concessão de reajuste de 143% ao salário dos auditores do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado (TCM). A medida beneficiará apenas três servidores do órgão, que terão suas remunerações aumentadas dos atuais R$ 9 mil para R$ 21 mil.

O novo valor equipara-se ao pago aos auditores e conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE), e fica bem acima até do subsídio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que recebe R$ 16,2 mil. É mais do que ganham vereadores da capital Fortaleza (R$ 9 mil), a prefeita da cidade (R$ 12,9 mil), deputados estaduais (R$ 12,3 mil) e federais (R$16,5 mil), o vice-governador (R$7 mil) e o governador (R$11,2 mil) do Estado.

Na Assembleia, só quem votou contra o reajuste fou o suplente de deputado Guaracy Aguiar (PRB). "Um reajuste de 143% quando, para os outros servidores do Estado, foi de 6%?", disse.

Contudo, a ampla base de apoio ao Executivo - dos 46 deputados, 44 seguiram os indicativos da liderança - desconsiderou a argumentação.

- Isso é o que é pago no Brasil todo. Esse pessoal é tudo concursado e vem do concurso mais difícil do Brasil. Estamos só dando isonomia a eles - disse o líder de governo na Casa, Nelson Martins (PT).

A oposição também apoiou o acréscimo.

- Esses auditores são regidos pela Constituição Federal, que diz que, quando estiverem substituindo um conselheiro, terão as mesmas garantias e impedimentos do titular. A matéria só está adequando os auditores do TCM aos do TCE - justificou o líder do PDT, deputado Heitor Férrer.

O presidente do Tribunal, conselheiro Ernesto Sabóya, disse que, antes de enviar mensagem à Assembleia Legislativa solicitando o reajuste, procurou o governo do Estado para expor a reivindicação. De acordo com ele, o governador Cid Gomes (PSB) endossou a solicitação.

- Achamos justas as reivindicações - considerou.

O texto ainda depende de sanção do executivo estadual. Segundo Martins, a expectativa é de que o projeto chegue ao gabinete do governador até esta sexta-feira para ser despachado de imediato. Dessa maneira, os R$ 21 mil começam a ser depositados ainda em novembro.