Prefeitos pedem mais verba para saúde e educação

Agência Brasil

BRASÍLIA - Prefeitos de todo o país devem organizar várias manifestações nesta sexta-feira para chamar a atenção do governo federal sobre as verbas repassadas às áreas de educação e saúde. No Dia Nacional em Defesa dos Municípios, a população é convidada a participar das atividades para conhecer mais as atribuições e negociações das prefeituras com o Poder Público.

Em entrevista ao programa Revista Brasil, da Radio Nacional, o Presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), Paulo Ziulkoski, diz que em alguns programas o governo federal só arca com um percentual dos recursos, e a parte mais difícil fica com as prefeituras. - No Bolsa Família, por exemplo, o governo entra só com o dinheiro e não faz mais nada, quem faz tudo é a prefeitura: cadastros, atualização de dados, mas na televisão aparece que é só o governo -afirma.

Segundo o presidente da CNM, os municípios gastam atualmente 15% do orçamento com saúde, enquanto os estados entram com 12% e a União deveria arcar com 10%, mas não é isso que tem acontecido. - A União gastou ano passado com saúde no Brasil, R$ 49 bilhões, se vigorar o que o Congresso votou e está na Câmara agora para ser votado, seriam R$ 24 bilhões a mais para a saúde, se contabilizados por ano - acrescenta.

Afirma ainda que os municípios estão gastando além do estipulado pela Emenda Constitucional n° 29, que seria de 15%. - Este dia [Dia Nacional de Defesa dos Municípios] está dizendo que as cidades estão gastando hoje 23% em saúde, não têm mais de onde tirar, já sangramos tudo - garante.

Estão ocorrendo hoje em todo o país reuniões com lideranças municipais, palestras com servidores, encontros ou atos cívico-culturais em locais públicos, fixação de faixas e distribuição de folhetos para a população.