Polícia Federal indicia 22 suspeitos de fraudar PAC

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - A Polícia Federal concluiu sexta-feira o inquérito da Operação Pacenas, responsável por desmantelar uma quadrilha especializada em fraudes a licitações de obras do Programa de Aceleração do Crescimento, com o indiciamento de 22 pessoas. O inquérito foi encaminho sexta-feira à 1ª Vara da Justiça Federal. Durante a operação da PF, foram cumpridos 11 mandados de prisão e 22 de busca e apreensão em Cuiabá, cinco mandados de busca e apreensão em São Paulo, três em Goiânia e um no Distrito Federal.

Segundo as investigações, a quadrilha contou com a participação de servidores públicos, agentes de governo e empresas concorrentes de licitações. A Sanecap (Companhia de Saneamento da Capital), responsável pela gerência de águas e esgotos em Cuiabá, deu nome à operação Pacenas é o palíndromo, o nome ao contrário da empresa pois alguns dos contratos com indícios de fraude eram justamente da área de saneamento básico.

A polícia encontrou, ainda crimes de fraude à licitação, advocacia administrativa e formação de quadrilha. Foram realizadas 21 perícias técnicas nos materiais apreendidos, além de oitivas e análises dos dados encontrados. Como prova do esquema, a PF encontrou até mesmo uma mensagem eletrônica contendo orientações sobre como burlar o processo licitatório.

Bloqueio

Segundo a Polícia Federal, dos quase R$ 300 milhões movimentados em licitações onde foram constatados indícios de fraudes, R$ 6,241 milhões já haviam sido pagos pelo poder público. A Justiça concedeu bloqueio dos bens dos envolvidos. Os nomes dos indiciados não haviam sido divulgados até a noite de sexta-feira.

As investigações foram iniciadas em 2007, a partir de relatório do Tribunal de Contas da União que identificou uma série de irregularidades e mandou anular os editais do PAC em Cuiabá. Em 2008, por meio de uma denúncia anônima, a PF soube antecipadamente o resultado da nova licitação, que, segundo as investigações, também foi viciada . (Com agências)