PF inicia operação para prender acusados de fraudes no INSS

Portal Terra

SÃO PAULO - A Polícia Federal iniciou na manhã desta quinta-feira a Operação Zepelim, com o objetivo de desarticular uma quadrilha acusada de cometer fraudes e corrupção no INSS. A polícia deve cumprir 33 mandados de prisões temporárias e 43 de buscas e apreensões nas cidades de Sorocaba, Itu, Salto de Pirapora, Araçoiaba da Serra e Porto Feliz, no interior de São Paulo. A quadrilha supostamente seria composta por funcionários do INSS, advogados e intermediadores.

A investigação, que começou em julho de 2008, já identificou cerca de 400 pessoas que teriam se beneficiado do esquema. A polícia estima que alguns funcionários do INSS envolvidos na quadrilha chegaram a arrecadar cerca de R$ 50 mil por mês com o esquema. Os prejuízos aos cofres públicos estão sendo calculados.

Entre os esquemas de corrupção apontados pela polícia, a quadrilha é acusada de prestar serviços para a obtenção de aposentadoria em tempo recorde. Em troca da rapidez no processo, os clientes pagariam o valor de três rendas mensais da futura aposentadoria para funcionários do INSS.

Já nos esquemas de fraude, a quadrilha é acusada de obter benefícios por meio da inserção de vínculos empregatícios falsos, com data anterior a 1994, período em que o sistema do INSS ainda não era totalmente informatizado. De acordo com a polícia, funcionário do próprio INSS fazia a inserção falsa mediante pagamento de propina que girava em torno de R$ 3 mil por pessoa interessada.

Além disso, a quadrilha também é suspeita de procurar segurados que possuíam altos valores em atraso do Pagamento Alternativo de Benefício a receber, e se ofereciam para agilizar a operação. Por essa operação, eles o cobrariam o valor de 30% do montante total devido.