Haddad: universidades estão prontas para atender professores

Portal Terra

BRASÍLIA - Haddad falou nesta quinta-feira, dia do professor, sobre o Plano Nacional de Formação dos Professores. O plano prevê que sejam oferecidas 330 mil vagas extras em 90 universidades públicas para formar os docentes que já atuam na rede pública de ensino e não possuem graduação. Vinte e um Estados elaboraram seus planos e encaminharam as demandas de formação às instituições de ensino. Segundo Haddad, das 58 mil vagas, quase 50 mil foram preenchidas.

- As universidades federais estão preparadas para atender os professores. Temos a expectativa que no decorrer do processo mais Estados possam oferecer esse benefício - afirmou.

O ministro da Educação acredita que até 2014 será possível qualificar todos os professores da rede que necessitam de formação. O MEC repassará às instituições de ensino R$ 1,9 bilhão de recursos extras, entre 2009 e 2014, para custear as vagas dedicadas aos professores.

Quanto aos locais onde os professores poderão assistir às aulas de formação, Haddad afirma que, além das universidades federais, o MEC está mobilizando pólos da universidade Aberta do Brasil.

- A dispensa das escolas para assistir aos cursos fica a cargo do secretário estadual, da governança local - afirma o ministro.

Os professores que tiverem interesse no programa devem estar em serviço, atuando em salas de aula da rede pública de ensino nos 20 Estados onde há vagas disponíveis.

- Basta ele fazer a pré-inscrição no site do Mec, pela Plataforma Freire, e aguardar o término do processo onde o Secretário da Educação vai validar a sua inscrição - afirmou o Ministro.

Plano de Formação dos Professores

A formação vai atender três perfis diferentes de profissionais: primeira licenciatura para professores que não têm curso superior, segunda licenciatura para aqueles que já são formados, mas lecionam em áreas diferentes da que se graduaram; e a licenciatura para bacharéis que necessitam de complementação para o exercício do magistério.

Outra medida que faz parte do esforço para melhorar a seleção dos profissionais é a criação de um concurso nacional para docentes, medida que já vinha sendo discutida com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed). A primeira edição da prova será em 2010.

A seleção ficará sob a responsabilidade do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que elabora avaliações como o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e a Prova Brasil. Segundo o MEC, o objetivo é constituir um banco nacional de professores formados que tenham passado por essa seleção. A nota da prova será utilizada para contratação dos profissionais pelos sistemas estaduais e municipais que aderirem ao modelo.

O ministério também quer alterar os currículos dos cursos de Pedagogia. Junto com o pacote de medidas será publicada um novo instrumento de autorização dos cursos com uma exigência maior de carga horária voltada à formação de professores. Segundo Haddad, os cursos hoje não atendem às necessidades das escolas. Outra intenção é estabelecer uma nota de corte mínima no Enem para ingresso de estudantes em cursos de licenciatura.