TRF retira governadora do RS de processo por improbidade

Portal Terra

PORTO ALEGRE - O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aceitou nesta quarta-feira um pedido da governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), para retirar a tucana de uma ação civil pública de improbidade administrativa ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF). A defesa de Yeda alegou que ela não poderia ser julgada na primeira instância da Justiça Federal nesse tipo de ação.

O Ministério Público Federal ajuizou a ação de improbidade administrativa no dia 5 de agosto deste ano. O processo é resultante da Operação Rodin, que apura o desvio de verbas envolvendo o Detran-RS, a Universidade Federal de Santa Maria e fundações de apoio.

Yeda, José Otávio Germano, João Luiz Vargas (ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado), Luiz Fernando Záchia (deputado estadual do PMDB), Frederico Antunes (deputado estadual do PP), Deslon Martini (ex-secretário-geral do governo), Walna Menezes (assessora de Yeda), Rubens Bordini (tesoureiro da campanha da governadora e vice-presidente do Banrisul) e Carlos Augusto Crusius foram denunciados por enriquecimento ilícito e dano ao erário.

O TRF determinou ainda que o fim do bloqueio sobre os bens do deputado federal José Otávio Germano (PP), um dos réus no processo, do deputado estadual Luiz Fernando Záchia (PMDB) e, em parte, do João Luiz Vargas (ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado).