Lula critica "governantes de duas caras" em obras do S.Francisco

REUTERS

BRASÍLIA - Em visita a obras da transposição do rio São Francisco, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira que políticos de "duas caras" prometeram, mas não realizaram os trabalhos de transporte de água às regiões necessitadas do Nordeste.

Lula, que justificou a visita como uma sinalização de que concluirá as obras, iniciou a viagem por Minas Gerais, passa pela Bahia e, em seguida, vai a Pernambuco.

Os pré-candidatos à sucessão presidencial Dilma Rousseff (Casa Civil, PT) e o deputado Ciro Gomes (PSB-CE) acompanham o presidente no trajeto. Outro pré-candidato, o governador Aécio Neves (PSDB-MG), fez uma aparição mais rápida.

- Essa obra foi pensada em 1847, ainda no tempo em que D. Pedro era o imperador brasileiro. Essa obra, quase 200 anos depois, não conseguiu andar para a frente, porque nós tivemos muitos governantes de duas caras, que prometiam fazer a obra em um Estado e não faziam - disse Lula no município de Buritizeiro (MG), primeira etapa da viagem, de acordo com texto divulgado pela Presidência da República.

Lula tratou Ciro Gomes como "companheiro" e justificou sua presença na comitiva presidencial pela participação do deputado no projeto do rio São Francisco, quando ocupou a pasta da Integração Nacional, entre 2003 e 2006.

O projeto, segundo dados do governo, pretende integrar o rio São Francisco às bacias de parte do Nordeste para assegurar a oferta de água em 2025 a cerca de 12 milhões de habitantes de 390 cidades do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte os Estados mais afetados pela seca.

As obras estão orçadas em 6 bilhões de reais, segundo o Ministério da Integração Nacional.

Lula afirmou que não é possível usar a água do rio São Francisco sem antes recuperá-lo e citou ações como o reflorestamento para recuperar as matas ciliares e o tratamento de esgoto para evitar a contaminação do rio.

O governo prevê a conclusão de parte das obras, como tratamento de resíduos sólidos, no ano que vem. Outra etapa ficará para 2011.

- Certamente, eu não vou ver, no meu mandato, tudo aquilo que está sendo feito. Mas, certamente, ainda estarei vivo para fazer uma outra caravana pelo rio São Francisco para a gente poder ver o que vai acontecer -declarou o presidente, que termina seu mandato em 2010.