Publicitária é encontrada morta com marcas de tiros em GO

Portal Terra

GOINIA - O corpo da publicitária Pollyana Arruda Borges, 26 anos, desaparecida desde a manhã da última quarta-feira, foi encontrado sem roupa com oito marcas de tiros, no braço direito e no peito, em um matagal às margens do Córrego Caveirinha, no Residencial Humaitá, região norte de Goiânia.

O carro da vítima, que é sócia-proprietária de uma agência de propaganda, havia sido encontrado parcialmente queimado poucas horas depois de ela ter saído de casa, por policiais militares, no Residencial Caraíbas, também na região norte da cidade. A bolsa da publicitária, assim como celular, notebook, documentos e todos os outros pertences de valor, estavam no interior do veículo.

Equipes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (Deic) estavam à procura de Pollyana desde o momento em que o carro foi encontrado. Ela havia saído de casa por volta de 7h30 para dar uma palestra em um evento na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), no Jardim Goiás.

A polícia não descarta nenhuma hipótese, mas trabalha principalmente com latrocínio frustrado e vingança. Os policiais acreditam que Pollyana teria reagido à abordagem e foi morta ainda vestida, provavelmente no local onde o carro foi deixado. Para a polícia, o fato de os objetos de valor terem sido deixados no veículo e a roupa ter sido arrancada pode ter sido uma maneira do criminoso confundir a polícia.

A vítima estava nua, com apenas um colar, abaixo de um barranco no matagal, a poucos metros de uma trilha. O corpo foi encontrado por um homem que procurava lenha no local. Exames preliminares no Instituto Médico Legal (IML) mostram que a vítima não sofreu abuso sexual.

O carro havia sido localizado ainda em chamas por moradores do Residencial Caraíbas. Testemunhas teriam visto um outro carro saindo em alta velocidade do local no momento em que o fogo começou, mas não anotaram a placa.