Acidente com caças não interfere em negociação, diz Jobim

Laryssa Borges , Portal Terra

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou nesta sexta-feira que o acidente com dois caças franceses do modelo Rafale ontem não interfere nas negociações conduzidas pelo governo brasileiro para a aquisição de aeronaves dessa natureza. Dois jatos Rafale, de fabricação da francesa Dassault, caíram no mar Mediterrâneo durante um voo de teste. Um piloto foi resgatado e outro ainda está desaparecido.

"Não interfere absolutamente em nada. Isso é uma avaliação que tem que ser feita pela Força Aérea. O prazo de (apresentação de) propostas foi para o dia 2. A questão dos acidentes é normal. (Mesmo sem as causas do acidente definidas) continua o mesmo processo. Talvez seja um problema de exercício, um erro humano, mas não há problema nenhum", afirmou o ministro após participar da apresentação da aeronave Embraer 190, que integrará a frota do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em substituição ao chamado "Sucatinha".

A disputa para que o Brasil anuncie a empresa que irá fornecer os caças à Força Aérea Brasileira (FAB) se intensificou nas últimas semanas com notícias, depois desmentidas pelo governo brasileiro, de que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, teria telefonado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e oferecido garantias de transferência de tecnologia para que o Brasil escolhesse comprar da americana Boeing aeronaves caça F-18 Super Hornet.

Oficialmente a sueca Saab confirmou que assegura ao Brasil a prerrogativa de comprar os Gripen NG e pagar apenas a metade do preço, mas o governo brasileiro já anunciou a decisão política de negociar preferencialmente para adquirir os Rafale, produzidos pela francesa Dassault.