Ibama fecha 19 fornos ilegais de carvão em município goiano

Agência Brasil

GOINIA - O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, participou nesta quinta-feira de operação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) que fechou 19 fornos ilegais de carvão em Cristalina, município goiano a cerca de 100 km de Brasília. Homens do Batalhão Ambiental da Polícia Militar de Goiás também participaram da operação.

Nos fornos eram queimadas espécies nativas do Cerrado, como sucupira e pequizeiro, com o objetivo de produzir carvão para indústrias siderúrgicas da região. Por ano, 100 hectares de vegetação nativa eram destruídos, segundo cálculos do Ibama.

A carvoaria existia desde 2005, mas a última licença ambiental venceu há cerca de dois anos. O faturamento estimado é de R$ 14 mil por mês. Minc, que pela terceira vez participa de ações em campo no Cerrado, disse que o combate ao desmatamento e aos crimes ambientais no bioma será mais rigoroso. - A guerra no Cerrado vai ser pesada. O carvão, por exemplo, é uma atividade pulverizada, intermediária, que vai abrindo espaço para os pastos - disse.

Segundo ele, o Ministério do Meio Ambiente estuda exigir certificação para o carvão vendido ao consumidor, com garantia de origem legal da madeira. O ministro disse ainda que irá estender ao Cerrado a restrição de crédito agrícola para quem não cumprir critérios ambientais, que está em vigor na Amazônia.

A medida, que depende de assinatura de decreto pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, valerá para os 60 municípios que mais desmataram o Cerrado. Quase metade da vegetação nativa do bioma foi derrubada.