Após explosão, moradores voltam às casas para pegar pertences

Portal Terra

SÃO PAULO - Passado o perigo de novos desabamentos e realizado o trabalho de remoção dos escombros, moradores do quarteirão onde uma loja de fogos de artifício explodiu puderam, na noite desta quinta-feira, voltar às suas casas pegar alguns pertences para passar a noite. A Defesa Civil de Santo André, na região do ABC Paulista, ainda está contabilizando o número de casas que precisaram ser interditadas.

A explosão causou um incêndio de grandes proporções na rua Américo Guazelli, na altura do número 200, por volta das 12h30. Pelo menos duas pessoas morreram e outras seis ficaram gravemente feridas, segundo os bombeiros. Uma pessoa ainda está desaparecida. As vítimas foram previamente identificadas como sendo uma mulher e um homem. O dono da loja também está sumido. Segundo a polícia, ele pode ter fugido antes da explosão.

A professora Giovanna Felici foi uma das pessoas que pegaram pertences pessoais. Ela disse que pegaria uma muda de roupa para passar a noite na casa de parentes.

- Estava a 10 km daqui e ouvi a explosão.

A prefeitura de Santo André afirmou dará suporte completo às vitimas da explosão inclusive providenciando abrigo a quem não puder ir para a casa de parentes.

A polícia acredita que a loja, que tinha alvará de funcionamento, também era uma fábrica irregular de fogos de artifício. O delegado seccional da cidade, Luiz Carlos dos Santos, afirma que há indícios de artefatos explosivos no local.

- Havia muitas varetas que costumam ser usadas para este fim.

A Associação Brasileira de Pirotecnia (Assobrapi) informou que não sabe se no local funcionava somente uma loja de fogos ou se os explosivos eram fabricados ali.

A rua, sem saída, foi interditada para o trabalho dos Bombeiros. As vítimas foram levadas para o Centro Hospitalar da cidade, onde estão sendo concentrados os atendimentos.