MPF pede proteção policial para quilombolas em Mato Grosso

Marco Antonio Soalheiro , Agência Brasil

BRASÍLIA - O procurador da República em Mato Grosso Gustavo Nogami determinou às polícias Civil, Militar e Federal a adoção de medidas para garantir a segurança dos remanescentes de comunidades quilombolas das regiões conhecidas como Vãozinho e Voltinha, localizadas entre os municípios de Barra do Bugres e Porto Estrela. Nogami fixou um prazo de cinco dias para que os órgãos informem as providências adotadas.

Representantes do Conselho Estadual de Promoção da Igualdade Racial e da Fundação Palmares relataram ao Ministério Público Federal (MPF) ameaças e uso de violência contra integrantes das comunidades quilombolas. Os denunciantes atribuem as agressões a pessoas ligadas a fazendeiros da região, que fazem uso de armas de fogo.

Além do pedido de proteção policial aos quilombolas, o procurador Nogami também requisitou informações do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) a respeito do andamento do processo de reconhecimento e demarcação da área das comunidades Vãozinho e Voltinha como remanescente de quilombo.