Nora de Sarney também é indiciada pela Polícia Federal

JB Online

SÃO LUÍS - A empresária Teresa Murad, nora do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), foi indiciada pela Polícia Federal no inquérito da Operação Boi Barrica. Ela é acusada de lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e por operar instituição financeira sem autorização. Mulher do empresário Fernando Sarney, filho do senador e responsável pelos negócios da família no Maranhão, Teresa figura ao lado do marido e da filha, Ana Clara, como sócia das empresas do grupo, investigadas por suspeita de transações financeiras ilegais no, segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo desta sexta-feira.

Fernando já havia sido indiciado pelos mesmos crimes e mais formação de quadrilha e direção de instituição financeira irregular. Segundo o Estado, o depoimento da empresária, na Superintendência da Polícia Federal do Maranhão, em São Luís, durou mais de duas horas e seu teor não foi divulgado, mas Teresa teria entrado em contradição em vários momentos, levando o delegado Márcio Anselmo a fazer o indiciamento.

Além de Teresa, foi indiciada ontem Luiza de Jesus Campos, gerente da instituição financeira São Luís Factoring e Fomento Mercantil, empresa da família Sarney suspeita de ser pivô das irregularidades. O Estado tentou ouvir Tereza Murad, depois de seu depoimento na sede da Superintendência da Polícia Federal em São Luís, mas ela não quis se manifestar.

A PF abriu cinco inquéritos para investigar as irregularidades atribuídas à família Sarney no Maranhão, tendo Fernando como cabeça do suposto esquema. Os mais avançados são os que envolvem os negócios das empresas dirigidas por Fernando e a mulher. Uma delas, a São Luís Factoring e Fomento Mercantil, está na origem da operação. O filho de Sarney é apontado nas investigações como chefe de um esquema montado para desviar dinheiro e manipular licitações, por meio do tráfico de influência.