Heráclito minimiza denúncias de nepotismo no Senado

Marina Mello, Portal Terra

BRASÍLIA - O primeiro-secretário do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI), minimizou nesta quarta-feira a denúncia de que ainda podem existir casos de nepotismo na Casa, mesmo após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter aprovado há 11 meses a súmula que proíbe o nepotismo na administração pública.

Segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo, ainda existem cinco gabinetes de senadores que descumprem a orientação da Suprema Corte, entre eles, o do próprio Heráclito.

O senador afirmou que, em relação ao seu caso, o jornal "interpretou mal" a lei, já que ele emprega em seu gabinete uma sobrinha-neta, grau de parentesco que não estaria proibido na decisão do STF.

"A matéria, pelo menos no que se diz respeito a uma sobrinha-neta minha, se esqueceu de ver que não abrange o nepotismo, que está fora dos critérios de nepotismo. Sobrinha neta não entra no critério, é um parentesco que não atinge o nepotismo", disse.

Em relação aos outros casos, o primeiro-secretário disse que cada senador deve responder por si e, se houver alguma irregularidade, aí sim o Senado vai agir para que estes parentes sejam demitidos.

"Os outros casos, espero que cada um responda. A matéria traz nomes, então, cada um que responda. Se tiver alguma irregularidade, as providências serão tomadas", afirmou.

Questionado sobre o fato de ainda poderem existir no Senado problemas desta natureza mesmo após quase um ano de a lei ter sido aprovada, Heráclito disse que, se existirem, são poucos casos num grande universo e pediu "paciência". "São cinco ou seis casos num universo de 81 senadores, paciência", disse.