Operação Bracelete fecha garimpo ilegal no Rio Paraíba do Sul

Alana Gandra , Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - Um garimpo ilegal que operava no Rio Paraíba do Sul, no município de Carmo, na divisa do Rio de Janeiro com Minas Gerais, foi fechado nesta segunda-feira pelos fiscais do Ministério do Meio Ambiente e da Secretaria Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro.

A Fazenda Estrela Dalva era utilizada como base para os garimpeiros que trabalhavam para a Mineradora Melo, que funcionava sem licença ambiental. As bombas de sucção, instaladas em quatro balsas grandes, retiravam o cascalho do leito do rio em busca de ouro. Mais duas balsas eram utilizadas como dormitórios para os 11 trabalhadores.

O perito do Instituto Carlos Éboli, Fernando Aires, identificou a presença de mercúrio nos equipamentos usados pelos garimpeiros. O uso do metal é proibido devido aos danos irreversíveis que causam à saúde das pessoas e ao meio ambiente.

O proprietário das balsas, Jorge Bolívar Melo, foi autuado em flagrante e encaminhado à delegacia do município, em companhia dos garimpeiros. O Ministério do Meio Ambiente informou, por meio da assessoria de imprensa, que o órgão vai entrar com um pedido judicial para a desapropriação das balsas apreendidas, de maneira que elas possam ser utilizadas em ações ambientais.

Um inquérito foi aberto pelo Ibama. Os infratores estão sujeitos à pena de detenção de até um ano, além de multa no valor de até R$ 50 milhões.

Chamada de Operação Bracelete, a ação reuniu uma equipe de mais de 30 agentes do Grupamento Aeromarítimo (GAM), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Batalhão Florestal, Batalhão de Operação Especiais (Bope), Coordenadoria Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca) e Instituto Estadual do Ambiente (Inea).