Lula diz que Brasil "foi construído para não funcionar"

Fabrício Escandiuzzi, Portal Terra

ITAJAÍ - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira em Itajaí, no litoral norte de Santa Catarina, que o Brasil "foi construído para não funcionar". Lula fez o comentário enquanto assinava a promulgação da nova Lei da Pesca e da criação de um novo ministério para o setor. "Não adianta eu criar uma coisa interessante, colocar dinheiro à disposição e perceber depois que o projeto não funcionou como deveria", disse. "No Brasil tem mais gente para não permitir que se faça do que para fazer".

Em seu discurso, o presidente disse ter feito um desabafo diante do fato do período eleitoral estar se aproximando. "É preciso deixar tudo muito claro porque em época de eleição muitos picaretas aparecem com outras verdades", disse. "No Brasil não se pode fazer nada. Vemos que tem algo errado quando comparamos o salário de um engenheiro do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) que constrói uma rodovia e um fiscal do TCE (Tribunal de Contas do Estado) que fiscaliza a obra".

Lula ainda comentou com muita irritação a situação do porto municipal de Itajaí, destruído há sete meses durante a enchente que atingiu Santa Catarina. As obras em canais estão paralisadas e os trabalhos de dragagem ainda não foram terminados. "Já faz mais de seis meses que vim aqui e coloquei R$ 300 milhões para consertar esse porto", afirmou. "Chegando em Brasília vou ver o que está acontecendo. Já era para eu estar aqui reinaugurando o terminal".

O presidente não comentou a crise do Senado e as acusações contra o presidente da Casa, José Sarney. Lula procurou apenas destacar a área de pesca e ao fim do pronunciamento disse estar "feliz" com a semana que passou. "Na próxima, espero que o Corinthians ganhe a Copa do Brasil", completou. "Não posso dizer isso no Rio Grande do Sul, então lá vou falar que torço para o empate".

Novo Ministério

A criação da novo ministério foi defendido por Lula como um dos fatos mais "importantes do segundo mandato". "O pescador terá o mesmo direito de produtores rurais, podendo obter recursos para comprar redes e equipamentos, além de reformar embarcações", completou. "O problema é que quem critica só quer saber se o peixe é fresco ou barato. Não se importa com o que o pescador passou para colocar o produto à venda".

O mais novo ministro do governo Lula, Altemir Gregolin, destacou que a criação de uma nova pasta não significaria mais "gastos públicos" e sim, uma demonstração de visão do governo com um dos setores que mais geram empregos em Santa Catarina.

"É uma luta de 30 anos, um sonho dos pescadores que está sendo realizado", disse. "Quem critica a criação de um ministério para a pesca, não conhece o setor e não tem compromisso com o futuro e a geração de empregos".