MST ocupa prédio do Incra em São Paulo e mais 8 cidades

Portal Terra

SÃO PAULO - O Movimento dos Trabalhadores Sem Terra informou que cerca de 400 pessoas ocuparam o prédio da Superintendência Regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em São Paulo no início da manhã desta segunda-feira.

Os trabalhadores reivindicam que o Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera) deixe de ser um programa e passe a ser uma política pública. O programa dá acesso à educação formal em todos os níveis aos trabalhadores do campo, desenvolvendo ações de Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Os trabalhadores rurais ainda exigem o assentamento imediato de todas as famílias acampadas no Estado, agilidade no processo de desapropriação de áreas para fins da reforma agrária e maior infra-estrutura para os projetos de assentamento.

A mobilização faz parte da Jornada Nacional de Lutas em defesa da Educação e do Pronera, que acontece em 11 Estados, com a ocupação de oito superintendências do Incra.

Em Goiânia e no Ceará, 400 trabalhadores rurais ocuparam a superintendência regional do Incra. No Piauí, a ocupação é feita por 350 sem terra, em Teresina.

Em Santa Catarina, 250 estudantes das escolas de ensino médio e fundamental dos assentamentos fizeram uma caminhada da praça central da cidade de Chapecó até o Incra, que foi ocupado. Os estudantes solicitam uma audiência para apresentar os pontos de reivindicação.

Na Bahia, cerca de 200 estudantes de movimentos sociais do campo ocuparam a superintendência regional do Incra, em Salvador. A ocupação está prevista para durar três dias.

Em Pernambuco, estudantes e formados em cursos do Pronera ocuparam as sedes do Incra em Recife e Petrolina. No Paraná, cerca de 500 trabalhadores rurais fazem uma mobilização em frente à superintendência regional do Incra em Curitiba.

Em Minas Gerais, 200 estudantes fazem manifestação na superintendência regional do Incra em Belo Horizonte. No Rio Grande do Sul, filhos de pequenos agricultores e assentados da reforma agrária fizeram protesto em frente à superintendência do Incra, em Porto Alegre. No Mato Grosso, estudantes do Pronera fazem vigília em frente ao Incra em Cuiabá.