Lula negocia para controlar CPI da Petrobras

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comunicou segunda-feira aos ministros da coordenação política que vai agir diretamente para tentar contornar o imbróglio criado pelos líderes governistas em torno da definição dos cargos de comando da CPI da Petrobras. Segundo o ministro José Múcio Monteiro, das Relações Institucionais, o presidente Lula não vai precisar usar panos quentes porque está definido que PT e PMDB ocuparão os principais cargos.

Durante a reunião do núcleo político do governo, o presidente informou que pretende procurar o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), e o líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), para tentar encontrar uma saída para a composição.

As coisas estão decididas. Fica entre PT e PMDB. Agora, precisa saber quem fica na relatoria e na presidência. Os quadros estão parcialmente montados. O governo tem absoluta tranquilidade de que as coisas vão transcorrer com tranquilidade. O presidente disse que vai tomar a iniciativa de conversar com Sarney e líderes do PT e PMDB. Ele é quem faz a coordenação. Eu dou os recados disse Múcio.

O ministro afirmou que a CPI deve ser instalada quarta-feira e que a principal dificuldades é conciliar o número de senadores interessados em participar das investigações. Múcio justificou que o interesse dos governistas em integrar a CPI é motivado pela importância da estatal para o país.

Não precisa por panos quentes. Não há necessidade de panos quentes. Está se discutindo apenas quem vai participar. Essa é a CPI da mais importante empresa do Brasil. CPI da principal empresa de combate a essa crise. É uma empresa de todos os brasileiros, de maneira que todos desejam participar disse.

A preocupação do governo, sustentou o ministro, é com o debate político da CPI.

Nós não vamos conseguir fugir de ter um tom político é do tom da casa. Mas a Petrobras está preparada para responder tudo. A Petrobras montou um blog e algumas questões que poderiam ser postas na CPI já estão na internet.

Para Múcio, apesar da exploração política da CPI, não haverá pirotecnia .

Quem teve interesse em instalar a CPI não vai ter interesse em pirotecnia disse.

A movimentação do presidente atende aos pedidos de interlocutores. O presidente foi alertado na semana passada que o impasse entre os líderes do PT e do PMDB para a escolha dos senadores que vão ocupar os cargos de comando da CPI está longe de ser solucionado. A preocupação de interlocutores próximos do presidente é que o racha traga desgastes à estatal no início das investigações.

O PMDB não é considerado por senadores governistas um parceiro fiel em CPIs e o desentendimento com o PT, na avaliação de integrantes da base aliada, pode causar novas turbulências nessa relação. Em investigações recentes, os peemedebistas abandonaram o governo nas CPIs dos Bingos e dos Correios.

Humilhação

O anúncio de que o presidente Lula vai costurar um acordo entre os líderes governistas para a composição dos cargos-chaves da CPI da Petrobras não foi bem recebido pela oposição. O senador Álvaro Dias (PSDB-PR), autor do pedido de criação da CPI, criticou a postura do presidente e disse que a interferência seria uma humilhação ao Congresso.

O tucano disse que a oposição continua trabalhando com a instalação da CPI na próxima quarta-feira. Líderes da oposição conversaram segunda-feira com os senadores Fernando Collor (PTB-AL) e Jefferson Praia (PDT-AM), que são da base aliada. Eles teriam prometido comparecer a reunião da comissão para evitar que o quorum caia mais uma vez. O início dos trabalhos foi adiado por duas vezes por causa de manobras dos governistas que não chegaram a um entendimento sobre a escolha do presidente e do relator da CPI.

Isto é uma interferência indevida. Se o Congresso aceitar isso, estará se agachando. A CPI é prerrogativa do Senado, se aceitar isso é uma humilhação afirmou. Segundo Dias, a oposição não trabalha com a alternativa de devolver a relatoria da CPI das ONGs para os governistas. A base aliada afirma que só instala a CPI da Petrobras se tiver nas mãos a relatoria das ONGs.

Isso não está sendo analisado afirmou. (Com agências)