Suzane Von Richthofen acusa promotor de assédio

Portal Terra

SÃO PAULO - A Corregedoria Geral do Ministério Público Estadual (MPE) investiga a veracidade de depoimento de Suzane Von Richthofen, 25 anos, em que ela acusa de assédio um promotor de Justiça. A jovem foi condenada em 2006 pelo assassinato da mãe e do pai, ocorrido em outubro de 2002. As informações são do Jornal da Tarde.

De acordo com a reportagem, o depoimento de Suzane foi prestado à juíza da Vara de Execuções da Comarca de Taubaté, Vale do Paraíba. O promotor de Justiça Eliseu José Berardo Gonçalves teria cometido o assédio, segundo relatou Suzane, durante o tempo em que ela esteve presa na Penitenciária de Ribeirão Preto. De acordo com o jornal, o promotor nega todas as acusações.

A assessoria de imprensa do Ministério Público do Estado de São Paulo informou que a Corregedoria Geral não se pronuncia sobre casos em investigação, pois eles correm em segredo de Justiça.

No depoimento, Suzane teria afirmado que o promotor esteve na unidade prisional para tirar fotos da cela onde ela convivia com outras presas. Segundo ela, ele teria cumprimentado todas as detentas com beijo no rosto. dias depois de tirar as fotos, Suzane afirma, de acordo com o jornal, que foi conduzida ao gabinete do promotor, em local fora da prisão, e permaneceu a sós com ele por várias horas.

Suzane afirmou que Gonçalves impediu o acesso e a permanência de outras pessoas no local. Ele teria feito indagações sobre a vida pessoal dela. Cerca de 10 dias depois, ainda de acordo com o depoimento de Suzane, ela foi levada novamente ao gabinete de Gonçalves, de ambulância e sem algemas. O promotor teria providenciado música ambiente, com CDs românticos para ficar a sós com Suzane.

Segundo a reportagem, Suzane contou que Gonçalves disse estar apaixonado por uma moça, para quem tinha escrito inúmeras poesias e sonhava em beijá-la e abraçá-la. Ele teria confessado que essa moça era ela.

De acordo com o Jornal da Tarde, o Tribunal de Justiça informou que: "não há como confirmar ou não o depoimento de Suzane por se tratar de matéria que envolve preservação da intimidade da parte". Segundo a reportagem o advogado de Suzane, Denivaldo Barni Júnior, afirmou que não queria falar sobre o caso.