Piauí: após desastre, a busca por culpados

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal no Piauí mandou instaurar um procedimento investigatório para apurar as causas e apontar possíveis responsáveis pelo rompimento da barragem Algodões 1, que alagou na tarde de quarta-feira o município de Cocal da Estação (PI). Seis pessoas morreram e outras três estão desaparecidas por conta do desastre. Cerca de 3 mil pessoas estão desalojadas.

Vamos apurar se essa tragédia foi em decorrência apenas do fenômeno da natureza, no caso a chuva, ou se houve fragilidade e inadequação na construção da obra. São questionamentos que só a perícia vai apontar. Temos que ter cautela. Vários órgãos serão notificados explicou o procurador-chefe do MPF no Piauí, Kelston Pinheiro Lages.

Há suspeitas de que o incidente poderia ter sido evitado. Segundo o governo estadual, há 15 dias, quando a represa atingiu nível máximo, 1,2 mil pessoas foram retiradas do local, por precaução. Elas, entretanto, retornaram no dia 22 deste mês por orientação do engenheiro responsável pela obra, Luís Hernane de Carvalho. O engenheiro não foi encontrado para comentar o caso.

Com certeza isso será checado. Essas pessoas foram orientadas para retornar às suas casas e precisamos saber com respaldo em quê (voltaram ao local) acrescentou Lages, adiantando que a tragédia, considerada de gravidade inédita na história do estado, deverá resultar em ações de responsabilidade civil e criminal. Esses fatos têm desdobramentos no aspecto cível, de reparação de danos, e também no aspecto criminal, porque houve vítimas e crime de homicídio.

Em nota, a procuradoria afirma ainda que irá oficiar aos órgãos competentes pela construção e manutenção da barragem para saber quais as causas que concorreram para o rompimento . Um parecer técnico será elaborado.

É necessário cautela, pois neste momento não podemos apontar responsáveis sem um documento técnico que revele as causas que concorreram para o rompimento de Algodões 1 completou Lages.

Outras frentes

O governador Wellington Dias já determinou que a Secretaria de Segurança também instaure um inquérito para apurar as responsabilidades pelo desabamento. Um grupo técnico da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi) também vai avaliar as causas do ocorrido. Ontem, o governo do estado liberou R$ 750 mil para os municípios atingidos pela inundação.

Equipes do Corpo de Bombeiros encontraram na manhã de ontem o corpo de um homem de 36 anos em Cocal da Estação (PI). Na região, que está alagada desde a tarde da quarta-feira após o rompimento de uma barragem, foram encontrados outros quatro corpos. De acordo com o governo do Piauí, o corpo de José Francisco Alves dos Santos estava na região e será encaminhado para a comunidade Angico Branco, onde ele morava. Os bombeiros interromperam ontem à noite a busca pelas outras três pessoas desaparecidas. O esforço para encontrar as vítimas deve ser retomado hoje.

Aproximadamente 300 famílias de Cocal que perderam suas casas por causa do rompimento já estão em abrigos no município. A informação foi dada pelo prefeito Fernando Sales (DEM). Segundo ele, o número de desabrigados, entretanto, pode dobrar nos próximos dias, uma vez que cerca de 700 famílias viviam em 18 comunidades ao longo do Rio Pirangi.

Aqueles que já conseguimos resgatar foram trazidos para colégios e clubes cedidos como abrigos. Alimentos e medicamentos foram providenciados para as comunidades mais distantes e estamos esperando chegar dois helicópteros maiores da Força Aérea Brasileira para transportar mais pessoas para a sede do município explicou Sales. Segundo o prefeito, a situação no município exige, a princípio, solidariedade e soma de esforços dos governos municipal, estadual e federal. Segundo ele, a penalização pelo episódio deve ser promovida com rigor , mas sem atropelos .

Nossa primeira meta é resgatar as famílias e ver o que realmente foi a perda material das pessoas, que ficaram sem casas, móveis e plantações. Ainda não é hora de se fazer acusação a A ou B, mas tudo terá que ser apurado para se identificar as devidas responsabilidades defendeu Sales. Ontem, dois helicópteros foram enviados à região para auxiliar na distribuição de donativos. O levantamento preciso das perdas materiais será feito pela prefeitura para que as famílias sejam posteriormente indenizadas. (Com agências)