Jackson Barreto protocola emenda da segunda reeleição

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - O deputado Jackson Barreto (PMDB-SE) ignorou os apelos do comando do PT e protocolou nesta quinta-feira, na Mesa Diretora da Câmara, para irritação da oposição, a proposta de emenda constitucional que permite duas reeleições continuadas para prefeitos, governadores e presidente da República. O deputado conseguiu o apoio de 194 deputados 23 a mais que o necessário à matéria.

Na prática, a proposta mantém o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo até 2014 caso o texto seja aprovado. Para entrar em vigor a tempo de ampliar o mandato de Lula, a PEC precisa ser aprovada pela Câmara e pelo Senado até setembro prazo limite para mudanças na legislação eleitoral referentes à disputa de 2010.

Apesar de Lula ter se mostrado contra um eventual terceiro mandato, o deputado disse que a iniciativa partiu da própria Câmara. Otimista para aprovar o texto até setembro, Barreto negou que a PEC seja uma espécie de golpe para manter Lula no poder. A oposição não tem moral nem discurso para falar de golpe já que foi essa mesma oposição que, sem consulta popular, incluiu o mecanismo da reeleição na Constituição disse.

A proposta de Barreto voltou, nesta quinta-feira, a ser criticada por líderes de partidos aliados. Segundo o deputado peemedebista, contudo, além de parte razoável dos deputados da base, cinco deputados do PSDB e 11 do DEM teriam assinado a proposta. Após o presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), ter ameaçado, nesta quinta-feira, expulsar do partido os deputados da legenda que assinaram a PEC, os parlamentares tucanos voltaram atrás e aceitaram retirar seus nomes da proposta. Já o DEM não pretende expulsar do partido os 11 deputados que teriam assinado a PEC. Ainda assim, a expectativa é de que os deputados do partido que tenham aderido à proposta também retirem suas assinaturas da PEC após conversas com líderes da legenda. (Com agências)