Chuvas castigam o Maranhão, atingindo 108 cidades

Jornal do Brasil

SÃO LUÍS - A Defesa Civil do Maranhão informou nesta quarta-feira que as chuvas deste ano já obrigaram 108 dos 217 municípios decretarem situação de emergência. O órgão também aponta 13 mortes no estado devido aos temporais que atingem a região Nordeste do país. As últimas cidades a terem o decreto de emergência aprovado foram Bom Jesus das Selvas, Esperantinópolis e Poção de Pedras.

Ainda de acordo com o órgão, as chuvas que atingem o Maranhão já prejudicaram 438.198 pessoas. Desse número, mais de 150 mil pessoas tiveram que deixar suas casas, sendo 101.106 desalojados estão hospedadas com amigos ou familiares e 51.198 desabrigados, ou seja, dependem de abrigos públicos.

Ao lado do Corpo de Bombeiros, a Defesa Civil Estadual lançou a Campanha S.O.S. Maranhão, disponibilizando uma conta bancária para receber doações. Os interessados em ajudar podem depositar as doações em dinheiro em uma conta corrente aberta na Caixa Econômica Federal, agência: 0027 - conta corrente: 1000-2 - operação 006.

Em todo o país, as chuvas já deixaram 49 mortos e fizeram com que 413.476 pessoas saíssem de suas casas em 12 estados. Desse número, 283.487 estão pessoas desalojadas e 129.989 desabrigados.

Ao menos 446 municípios dos estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Amazonas, Pará e Santa Catarina foram afetados.

Segundo a Secretaria Nacional de Defesa Civil, do Ministério da Integração Nacional, já foram distribuidas 139.150 cestas básicas para famílias afetadas pelas chuvas em todo o país, além de 1,4 milhão de itens como colchões, cobertores, travesseiros, fronhas, lençóis, filtros, lonas e mosquiteiros.

Previsão

O calor e a alta umidade devem provocar pancadas de chuvas nas regiões Norte e Nordeste do país até amanhã, segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Em Estados como Sergipe, Alagoas e Bahia o acumulado de chuva pode ser grande. O Sedec recomenda que a população evite áreas de alagamento e regiões de encostas e morros. (Com agências)