Deputado Edmar Moreira retoma defesa verbal no Conselho de Ética

Iolando Lourenço, Agência Brasil

BRASÍLIA - O deputado Edmar Moreira (sem partido-MG) retomou, há pouco, sua defesa verbal no Conselho de Ética da Câmara, onde responde a processo de cassação por quebra de decoro parlamentar. Moreira é acusado de uso ilegal da verba indenizatória no pagamento de serviços de segurança. Quarta-feira passada, Moreira, que ficou conhecido por pelo castelo em sua propriedade no interior de Minas Gerais, chegou a iniciar o depoimento, que foi suspenso para realização da ordem do dia no plenário da Câmara.

Moreira rebateu as acusações feitas pela Comissão de Sindicância da Corregedoria da Câmara, criada para analisar a representação do P-SOL contra ele. De acordo com Moreira, a comissão o acusa de ter contratado empresa de sua propriedade para prestação de serviços de segurança, de ter feito pagamentos em dinheiro aos empregados e também de calcular que cada segurança teria trabalhado mais de 28 horas por dia.

O deputado argumentou que não era proibida a contratação de empresa de sua propriedade para prestar os serviços, prática que, segundo ele, só agora foi proibida pela Câmara. Conforme o parlamentar, o pagamento de empregados em espécie também não era proibido. Além disso, Moreira afirmou que, quando a comissão de sindicância analisou sua defesa, não levou em conta que os serviços de segurança tinham sido feito por três pessoas, o que dá pouco mais de nove horas por dia.

Após concluir a apresentação da defesa, Edmar Moreira deverá responder a perguntas dos integrantes do Conselho de Ética.