Produtores de carne de porco pedem ajuda ao governo

Agência Brasil

BRASÍLIA - Produtores de carne de porco pediram ao governador de São Paulo, José Serra, ajuda para esclarecer a população de que o consumo do produto não contamina as pessoas com a gripe suína. Os produtores reclamam que a divulgação de notícias equivocadas vinculando o vírus da gripe A H1N1 ao consumo de carne de porco pode afetar o preço do produto.

- Os preços em dólar estão caindo, com o agravante de que o dólar também está caindo. Esses volumes representam prejuízo, prejuízo do produtor com certeza e prejuízo para a indústria. Está todo mundo perdendo dinheiro - disse Pedro Camargo Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína. Ele ressalvou, no entanto, que o declínio do preço não pode ser atribuído totalmente à gripe suína.

De acordo com os produtores, o preço praticado antes da divulgação das notícias sobre a doença, em fevereiro, era de R$ 47 a arroba. Hoje, o preço está em torno de R$ 39.

- Essa questão da situação do vírus A foi creditada erroneamente à carne suína e é por isso que nós estamos agora trabalhando na conscientização e na informação ao consumidor, para que ele tenha certeza absoluta de que pode continuar a comer carne suína, que é a carne mais produzida no mundo - disse Valdomiro Ferreira, presidente da Associação Paulista de Criadores de Suínos.

Após encontro realizado em uma churrascaria na capital, José Serra reafirmou a segurança de se alimentar com carne de porco. - Gripe não se pega comendo carne, em nenhum caso. É um fenômeno mundial de divulgação pela mídia e a associação que se fez -disse.