Parlamentares recusam relatar caso do deputado do castelo

Marina Mello, Portal Terra

BRASÍLIA - O presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA), enfrenta dificuldades em encontrar um novo relator para o caso do chamado "deputado do castelo", Edmar Moreira (sem partido-MG), já que três parlamentares recusaram o cargo.

Depois da polêmica em torno do atual relator, deputado Sérgio Moraes (PTB-RS), que sinalizou o arquivamento do caso antes mesmo de iniciar a investigação e ainda declarou estar "se lixando" para a opinião pública, o presidente do Conselho julgou ser "insustentável" sua permanência na relatoria.

O caso é tão complexo que, antes de designar um relator, o presidente do Conselho formou uma subcomissão composta pelos deputados Hugo Leal (PSC-RJ) e Professor Ruy Pauletti (PSDB-RS), além de o próprio Sérgio Moraes, para analisar as denúncias.

Moraes acabou sendo o escolhido, mas depois da polêmica, os outros dois membros da subcomissão, além do deputado Moreira Mendes (PPS-RO), foram convidados e todos recusaram a proposta alegando estarem com "agenda cheia".

Nos bastidores, o que se fala é que ninguém quer enfrentar a pressão de ser relator de um caso com tamanha repercussão midiática como este. A avaliação é de que quase nenhum deputado quer enfrentar a pressão externa - da imprensa, da opinião pública e das críticas que um arquivamento poderia trazer -, nem a dos próprios deputados, já que o corporativismo ainda prevaleceria na Casa.

Diante disso, o presidente do Conselho conversa com todos os membros do órgão e, amanhã, vai realizar uma reunião na qual irá destituir a subcomissão e, conseqüentemente, a relatoria de Moraes. Na própria terça-feira ele pretende designar o novo relator do processo.